A Intuição materna na Relação Mãe e Filho

Tempo de leitura: 3 minutos

Intuição materna, mas o que será mesmo isso?

Sabe aquela sensação incômoda que você pode ter sentido quando seus filhos fizeram algo escondido? E aquela ideia que acontece de repente e é a chave para resolver algum problema familiar, você já teve? E quando você precisa decidir qual direção seguir e seu coração dá sinais para não ir por “tal” caminho?

No dicionário encontramos as seguintes definições para Intuição:

percepção instintiva; conhecimento imediato; e pressentimento da verdade

in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa 

Atualmente, poucas são as pessoas que conseguem perceber essa Intuição, que conseguem interpretá-la. A vida acelerada, cheia de informações e afazeres, onde quase não há tempo para nos conectarmos com nós mesmas, com nossa espiritualidade, com a natureza e com as pessoas a nossa volta, desfavorece a percepção da Intuição Materna.

Para Ouvir, Sentir, Reconhecer e Interpretar a Intuição, precisamos de Silêncio, de uma mente mais calma (livre de tanto barulho mental dos pensamentos acelerados), de um coração mais calmo e mais receptivo para aquilo que o Universo quer nos mostrar. E para ter isso nós precisamos querer. Querer desacelerar, diminuir o ritmo de ocupações, tarefas e abrir espaço para o Silêncio, para se conectar mais com você mesma, com seus próprios sentimentos e emoções. Abrir espaço para se ligar mais a sua própria Crença (sua Espiritualidade), abrir espaço para se conectar mais com as pessoas a sua volta, criando vínculos afetivos. E para estar em contato com a Natureza, observando e sentindo o bem estar que ela nos proporciona.

Quando falo de criar vínculos e se conectar mais com as pessoas a sua volta, as primeiras pessoas com quem precisamos fazer isso, são aquelas que vivem dentro da nossa casa, Esposo e filhos (ou só os filhos se for o caso). E para favorecer esse vínculo, precisamos da conexão com nós mesmas, com nossas emoções para conseguirmos reconhecer e ter sensibilidade com os sentimentos e emoções das outras pessoas.

Depois que já começamos a nos conectar mais com nós mesmas, a Observação atenta dos nossos filhos nos auxiliará a reconhecer as suas necessidades. Saber reconhecer as nossas necessidades e as dos outros, evita uma boa parte do atrito e desgaste no relacionamento familiar.

E fazendo este trabalho de ter mais conexão, aos poucos vai ficando mais fácil se ligar na sua Intuição, para quando for preciso você poder contar com ela.

Ainda, quando o assunto é criação de filhos, muitas vezes, as regras e modelos funcionam com algumas famílias e com outras não, já que cada família tem seu jeito próprio, seus valores e sua própria compreensão do que é melhor. As informações que recebemos a respeito de Educação e Criação de Filhos são boas para nos fazer pensar por outros ângulos, mas aprender a Observar os nossos filhos e ouvir nossa Intuição é o que nos dá mais confiança nas escolhas e decisões que precisamos tomar enquanto família.

A chave para o sucesso na criação de um filho, não está em teorias complexas, regras familiares elaboradas, nem em fórmulas de comportamento complicadas. Ela se baseia em seus sentimentos mais profundos de amor e afeição por seu filho e é demonstrada de maneira simples através de empatia e compreensão. Os bons pais começam agindo com o coração, e assim continuam a cada momento, segurando os filhos quando os ânimos se exaltam, quando eles estão tristes, irritados ou com medo. Em essência, ser pai ou mãe é estar presente nos momentos importantes.

John Gottman, Ph.D.

Veja também este vídeo em que falo um pouco mais a importância da conexão com você mesma. Se Inscreva no meu canal para receber os próximos vídeos.

Com Carinho,

Priscilla Soares,

Coach de Mães.

Você também pode gostar de: Culpa materna: como lidar com este sentimento e ter uma maternidade mais equilibrada.

Acompanhe Mãe com Carinho: Maternidade, Bebês e Primeira Infância.

Comments

comments

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.